Archive from settembre, 2009
Set 24, 2009 - Senza categoria    No Comments

ONU aprova resolução pró-desarmamento nuclear

Conselho de Segurança da ONU aprova resolução pró-desarmamento nuclear

Próximos meses serão ‘cruciais’ para a não-proliferação, diz Obama.
Ele é o primeiro norte-americano a presidir uma cúpula do conselho
obama.jpg

O Conselho de Segurança da ONU aprovou nesta quinta-feira (24), por unanimidade, uma resolução apelando pela não-proliferação nuclear.

A resolução foi proposta pelos Estados Unidos, que atualmente presidem o conselho. A sessão é conduzida pelo presidente dos EUA, Barack Obama, que disse que os próximos meses serão “cruciais” para os esforços de não-proliferação.

 A resolução 1887, redigida pelos Estados Unidos, pede aos Estados membros do Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP), de 1970, que respeitem suas obrigações, e que os demais se somem a ele como países sem armas atômicas, para torná-lo universal.

“Convoquei esta cúpula para que possamos tratar no nível mais alto de uma ameaça fundamental à segurança de todos os povos e todas as nações — a disseminação e o uso de armas nucleares”, disse Obama ao conselho.

“Esta própria instituição foi fundada na aurora da era atômica, em parte porque a capacidade humana de matar precisava ser contida, e, embora tenhamos evitado um pesadelo nuclear durante a Guerra Fria, agora enfrentamos proliferação de âmbito e complexidade tamanhas que requerem novas estratégias e novas abordagens.” 

 
obbama.jpg  
  Mudança à vista

Diplomatas e analistas disseram que a decisão dos EUA de organizar a cúpula assinala uma mudança acentuada na política de desarmamento, promovida pela administração Obama. O predecessor de Obama, George W. Bush, desagradou a muitos signatários do TNP por ignorar os compromissos de desarmamento assumidos por governos americanos anteriores.

A resolução também exortou “outros Estados” não signatários do TNP a unir-se aos esforços de desarmamento para livrar o mundo das bombas atômicas.

Esses Estados, não citados por nome na resolução, são o Paquistão e a Índia, que não assinaram o TNP mas sabidamente possuem arsenais atômicos, e Israel, que não confirma nem nega possuir armas nucleares, mas acredita-se que possua um arsenal considerável de ogivas.

A Coreia do Norte abandonou o TNP em 2003 e testou seu primeiro artefato nuclear em 2006 e outro este ano.

A resolução também pede que os países membros da ONU ratifiquem um tratado que proíbe a realização de testes nucleares e manifesta apoio às negociações sobre a proibição da produção de materiais físseis para ogivas.

A resolução reafirma o compromisso do Conselho de Segurança de “buscar um mundo mais seguro para todos e criar condições para um mundo sem armas nucleares”.

O documento pede que sejam ampliados os esforços para impedir a proliferação de armas nucleares, promover o desarmamento e reduzir o risco de “terrorismo nuclear”.

A reunião no Conselho de Segurança ocorre um dia depois do discurso de estreia do presidente americano na Assembleia Geral da ONU, em que ele citou a necessidade de impedir a proliferação de armas nucleares como um dos quatro principais desafios enfrentados pelo mundo atualmente.

fonte: http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2009/09/090924_nuclearonuobama_ac.shtml

http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL1316548-5602,00-CONSELHO+DE+SEGURANCA+DA+ONU+APROVA+RESOLUCAO+PRODESARMAMENTO+NUCLEAR.html

( Jeremias 10:23 leia em sua Biblia )

Set 24, 2009 - Senza categoria    No Comments

Estreia de Barack Obama Na Assembleia Geral da ONU

Não queiram que os EUA resolvam todos os problemas mundiais, diz Obama à ONU

Presidente americano fez sua estreia na Assembleia Geral.
Ele lembrou compromisso americano com a organização e pediu união.

obbbbb.jpg

O presidente dos EUA, Barack Obama, estreou nesta quarta-feira (23) na Assembleia Geral da ONU, discursando na 64ª edição dos debates. Ele falou sobre o compromisso americano com a ONU, com a diminuição das armas nucleares no mundo e com o Iraque e o Afeganistão.

 

Segundo Obama, os países devem se ajudar e não “esperar que os EUA resolvam todos os problemas do mundo”.

 

“Os que costumam repreender os Estados Unidos por atuar sozinho no mundo não podem agora ficar à margem e esperar que os Estados Unidos resolvam sozinhos os problemas mundiais”, disse. “É tempo de que cada um de nós assuma sua responsabilidade na resposta global aos desafios mundiais.”

“Eu assumi quando muitos do mundo estavam céticos em relação aos EUA. Aqueles que questionam o caráter da minha nação eu peço que vejam nossas conquistas. No meu primeiro dia na Casa Branca, eu pedi o fim da tortura e o fechamento da prisão de Guantánamo em Cuba.”

‘Quatro pilares’

Ele pediu aos líderes mundiais reunidos na Assembleia que iniciem uma nova era de cooperação multilateral. “Chegou o momento de o mundo seguir uma nova direção. Devemos adotar uma nova era de comprometimento baseada no interesse mútuo e no respeito mútuo”, disse.

 

“A escolha é nossa. Podemos ser lembrados como uma geração que optou por prolongar as disputas do século XX no século XXI, ou podemos ser uma geração que se une para servir aos interesses comuns dos seres humanos”, disse.

A cooperação, de acordo com Obama, deve ter quatro pilares: a não-proliferação, a promoção da paz e da segurança, a preservação do planeta e uma economia global que dê oportunidades a todos. 
 

Questão nuclear

Obama garantiu que seu país manterá compromissos, como o de continuar com o acordo para diminuição de armas nucleares.

 

“Devemos conter a expansão das armas nucleares e buscar a meta de um mundo sem elas”, afirmou.

 

Nesse sentido, ele pediu ajuda para evitar que essas armas caiam nas mãos de extremistas.

 

Ele acrescentou que vai buscar um novo acordo com a Rússia para a redução dos arsenais e disse que os países que se recusarem a cumprir as determinações do tratado de não proliferação de armas nucleares devem sofrer consequências.

Obama disse que os próximos 12 meses serão fundamentais nos esforços para fortalecer as medidas contra as armas nucleares e prometeu lutar por um mundo sem elas.

O presidente dos EUA disse ainda que está comprometido com a diplomacia com o Irã e a Coreia do Norte, mas que as duas nações devem ser detidas se decidirem pela opção das armas nucleares.

“Estou comprometido com a diplomacia que abre um caminho para a maior prosperidade e uma paz mais segura para as duas nações se elas cumprirem suas obrigações”, disse ele.

“Mas se os governos do Irã e da Coreia do Norte… assumirem os riscos da corrida pelas armas nucleares tanto na Ásia como no Oriente Médio — então eles devem ser impedidos.” 
 

Leia também: Fidel elogia, mas critica Obama

 

Oriente Médio

Ele também falou da importância dos acordos entre as nações e do desafio de obter a paz no Oriente Médio.

 

“Sei que isso será difícil, mas todos nós devemos decidir se somos sérios acerca da paz ou só falamos da boca para fora”, disse Obama, ao indicar que os EUA devem tanto apoiar a segurança de Israel quanto exigir que esse país respeite “os direitos e reivindicações legítimos dos palestinos”.

 

Obama voltou a afirmar que a construção dos assentamentos israelenses na Cisjordânia não é legítima.

 

“Continuamos enfatizando que os Estados Unidos não aceitam a legitimidade da continuação dos assentamentos israelenses na Cisjordânia”.

A afirmação de Obama acontece no dia seguinte ao encontro em que pressionou os dirigentes israelense e palestino, sem sucesso, para que voltassem à mesa de negociações.

 

Questão ambiental

Obama também disse que chegaram ao fim os dias em que seu país emperrava a luta contra as mudanças climáticas.

Elese comprometeu a promover a energia renovável e compartilhar tecnologia “verde” com os demais países do mundo.

“Nós vamos pressionar por maiores cortes nas emissões (de gasses causadores do efeito estufa) para alcançar os objetivos que estabelecemos para 2020 e finalmente 2050.”
 

Economia

Por último, ele abordou a crise econômica e pediu para que os países em desenvolvimento combatam a corrução. 

 

 Obama disse que o crescimento econômico só será sustentado e compartilhado se todos os países assumirem suas responsabilidades.

“Os países ricos devem abrir seus mercados a mais produtos e estender a mão aos que têm menos, enquanto reformam as instituições internacionais, para dar mais voz a mais países”, disse.

Além disso, os países em desenvolvimento “devem eliminar a corrupção, que é um obstáculo para o progresso”, acrescentou. 
 

Lula

Antes do discurso de Obama, o presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, afirmou que é preciso construir “um novo mundo” após a crise financeira mundial.

 

O presidente brasileiro, que manteve a tradição de fazer o discurso inaugural, destacou que “a crise financeira, a nova governança mundial e a mudança de clima” são os temas preponderantes do futuro. Lula também apelou pela volta do presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, ao poder.

Fonte :  http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL1314987-5602,00-NAO+QUEIRAM+QUE+OS+EUA+RESOLVAM+TODOS+OS+PROBLEMAS+MUNDIAIS+DIZ+OBAMA+A+ONU.html

Biblia Jeremias 10:23